Homenagem ao amigo Moacir Gonçalves

Foto: CEAEC

Ele sempre abriu alas quando o assunto era assistência. A história em Foz do Iguaçu começou em julho de 1995, época em que decidiu deixar a capital paulista para abraçar um novo desafio. Foi assim que Moacir Gonçalves, a convite do professor Waldo Vieira, tornou-se o primeiro morador do lugar que, meses depois, chamar-se-ia Centro de Altos Estudos da Conscienciologia – CEAEC.

Despojado, ousado e visionário, Moacir não escolhia trabalho. Por um tempo, foi fotógrafo oficial do CEAEC. Comprou uma câmara no Paraguai e passou a registrar tudo o que via na frente. Nas lentes dele apareciam as árvores que cresciam no campus, os cursos, as reuniões, a chegada e partida de alunos e até a Serena e o Rousseau, os pets de estimação do CEAEC. O Moa acompanhava tudo.

Multitarefeiro assistencial, sempre com o sorriso aberto, não tardou a alçar novos voos. Criou as dinâmicas parapsíquicas, inovou quando o assunto eram cursos, foi um dos primeiros professores epicon (epicentro consciencial), publicou livro, escreveu prefácios, artigos e verbetes e integrou o Colegiado da Conscienciologia. A energia dele estava por toda parte.
Agora o Moa está na outra dimensão. Não o perdemos, ganhamos mais um grande amparador.
Até breve, amigo!

Nessa entrevista em 2013, Moacir Gonçalves conta sua trajetória na Conscienciologia desde 1982, quando conheceu o prof. Waldo Vieira no Centro da Consciência Contínua, o pioneirismo na construção do CEAEC e a origem das Dinâmicas Parapsíquicas.

Entrevista disponível no canal YouTube da Comunicons: